BNCC | Competências Gerais | Competência geral #03

Neste post vamos falar sobre a terceira competência geral da BNCC.

E, com essa competência, vamos ver que a Escola é um local privilegiado para se aprender a valorizar arte e cultura.

Assista ao conteúdo deste post no vídeo a seguir!

Vamos ver o que diz o texto da competência:

Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

É importante sempre ter em mente que essa e também as outras competências gerais da educação básica, segundo a BNCC, são direitos de aprendizagem dos estudantes. Elas não fazem parte de um conjunto de opções, portanto. 

Se são direito, precisam ser desenvolvidas.

Uma coisa é saber que existem manifestações culturais, e a gente sabe que o nosso país tem uma grande riqueza nesse sentido. 

Outra coisa é aprender a valorizar e fruir essas manifestações culturais na escola. E a competência não fala só das manifestações locais, mas também das mundiais. 

Percebe que há um abismo entre “já ouvi falar que isso existe” ou “sei que isso existe” e “eu valorizo, eu participo disso”

A proposição de que a escola também seja responsável pela formação artística e cultural dos estudantes surge do fato que muitos não teriam acesso a isso se não fosse por meio da escola. 

Em um país tão desigual como o nosso, arte e cultura são vistos como artigos de luxo e, por essa razão, estão longe de ser uma prioridade para grande parte das pessoas.

Nessa realidade desigual, arte e cultura são coisas para serem consumidas por ricos. 

Mas não deveria ser assim. 

Portanto, a existência dessa competência, como um direito de aprendizagem dos estudantes, mostra a importância desse tipo de formação para a vida do cidadão, da pessoa que vive em sociedade.

Outro aspecto que devemos observar é que arte e cultura são campos cercados por muito achismos e preconceitos. Não é raro que manifestações artísticas e culturais sejam criticadas ou até mesmo demonizadas, e em boa parte das vezes essas atitudes ocorrem por causa de uma visão preconceituosa.

Considerando que um dos compromissos propostos pela BNCC é o de uma formação que respeite as individualidades e combata o preconceito, justifica-se o desenvolvimento de uma competência associada à formação artística e cultural de um cidadão, como uma prioridade garantida por lei.

Toda a minha formação ocorreu em escolas da rede pública, e sou muito grato por tudo o que vivi e aprendi naqueles espaços. Lá eu tive ótimos professores de arte, estudei história da arte, participei de grupos de teatro, tive aula de fotografia, música e dança. E foi, também, na escola, onde aprendi a gostar de ler, e hoje em dia, a leitura é um dos meus hábitos favoritos.

Certamente eu tive outras experiências na escola, mas não me lembro de todas agora. E acredito que todas essas experiências que vivenciei foram definidas com base em intenções pedagógicas bem definidas. Mas isso não fazia parte de uma diretriz curricular nacional, como é a Base Nacional Comum Curricular.

O que quero dizer com isso é que muita gente que frequentou a escola na mesma época que eu, em escolas públicas da mesma cidade ou até do mesmo bairro, talvez não tenha tido acesso ao que eu tive. 

E a recíproca é verdadeira.

Então, esperamos que os estudantes que aprenderão a valorizar, participar e consumir produções artístico-culturais, sejam seres humanos melhores, sem preconceitos, sejam cidadãos mais completos. Vamos ver como ocorrerá o desenvolvimento dessa competência.

Grande abraço e bons estudos!